Análise de Gato Roboto

| Introdução

Gato Roboto é um jogo Indie publicado pela Devolver Digital e desenvolvido por Doinksoft, do gênero Ação/Metroidvania. Foi lançado em 30 de maio de 2019 para Nintendo Switch e Steam.

A história de Gato Roboto inicia com um gato, que se chama Kiki, que de forma imprevista se torna o responsável por realizar a missão no planeta no qual a nave de seu comandante caiu. O comandante ficou preso na nave e assim o Gato vestiu o traje necessário para começar a missão, em um laboratório muito diferente dos normais.

Gato Roboto
Inicio do Jogo – Status

 

| Jogabilidade

Como mostrado na imagem inicial, Gato Roboto tem cinco categorias de armas e cinco trajes. Na parte inferior da tela temos os cartuchos, no caso nessa situação eu tinha 1 dos 14 possíveis. Com esses cartuchos são possíveis alterar as cores do jogo. Temos também a vida de Kiki, no caso, tinha feito 2 evoluções das 10 possíveis. Quanto maior seu progresso, mais fácil fica lutar com os inimigos no jogo.

O jogo é dividido em salas, cada uma tem várias saídas possíveis, e muitas dessas saídas estarão bloqueadas. Conforme o jogo progride, vamos desbloqueando diferentes armas, e com isso podemos alcançar locais que não se tem acesso no início.  Por exemplo, uma arma é um lança-foguete que consegue quebrar partes do cenário que estava bloqueando algumas das portas. Assim, cada arma do jogo tem uma função de fazer você progredir cada vez mais, te incentivando a voltar para salas já visitadas e assim conseguir avançar por determinada região que era impossível antes. Cada região no jogo apresenta um mapa, para ajudar o jogador se localizar. Esses mapas se alteram quando usamos um elevador, então nos é apresentado um novo mapa da nova região que estamos. Esse mapa mostra apenas as salas que já visitamos, e salas adjacentes a elas, então precisamos explorar para abrir o mapa completo.

Os inimigos apresentam uma boa variedade, tanto de aparência como também de tipos de ataques. Isso incentiva uma variação de estratégias por parte do jogador. Os chefões do jogo são bastante variados, que vão desde animais a máquinas industriais de aquecimento com bigode. Isso também mostra uma característica muito legal no jogo, o bom humor.

Chefões com humor
Chefões com humor

A dificuldade do jogo se altera muito, dependendo como Kiki esta enfrentando seus inimigos. Kiki pode sair da sua roupa, e caminhar com suas quatro patas no jogo. Neste caso, basta apenas encostar em um inimigo para morrermos, ou seja, o grau de dificuldade aumenta. Só é possível combater os inimigos se encontrar canhões que estão no jogo, mas a maioria das vezes a opção é desviar apenas. Essa forma está mais ligada à exploração, pois existem caminhos muito estreitos para a armadura passar.

Gato sem traje, usando arma disponível no cenário
Gato sem traje, usando arma disponível no cenário

Outro veículo que encontramos, em certas áreas, é o submarino. Neste caso, ele tem menos vida que a armadura, mas não chega a ter tanta dificuldade quanto no caso que não temos nenhum traje. Podemos atacar com tiro a qualquer instante, mas apenas usando um único tipo de arma.

Com Submarino
Com Submarino

Já com o traje militar, Kiki tem acesso a todas armas e diferentes opções de jogabilidade o que torna o jogo mais fácil. Além das opções de diferentes formas de se jogar, também temos uma variação de cenários muito boas: terra, água e lava.

A interface do jogo é super intuitiva, não havendo necessidade de tutoriais. O aprendizado é rápido, levando o jogo facilmente para qualquer público. O único ponto que considerei desnecessário é o uso da coordenada X e Y  na parte superior da tela, que não agrega em nada para o jogador, assim como o tempo de jogo percorrido, que fica na parte inferior, que acaba apenas por poluir a tela.

| Arte

A arte do jogo é um pixel art muito bonito, contando com apenas duas cores. Inicialmente é preto e branco, mas existem colecionáveis no jogo que alteram o visual. Isso foi uma ideia muito bacana, pois o usuário alterar as cores acaba por trazer diferentes sensações com cada opção, e incentiva o jogador a realmente se importar com os colecionáveis, já que estes permitem mudanças reais na experiência.
Alterando o cartucho, altera a cor do jogo
Alterando o cartucho, altera a cor do jogo
Os personagens desse jogo se expressam muito bem por meio da arte, expressões e sentimentos. A expressão do gato se altera quando ele está cansado, com raiva ou feliz. O mesmo ocorre com seu dono. Até o computador, que não precisaria demonstrar qualquer forma de alteração visual por ser uma máquina, se expressa aqui. E isso é passado para o jogador de uma forma a prender a atenção facilmente.

 

| Trilha Sonora

O jogo apresenta músicas que empolgam tanto no momento de exploração, quanto no momento de batalha com o boss. Elas representam bem o que esta acontecendo no momento. Assim acredito que a parte visual e sonora se encaixam muito bem, de forma a despertar a atenção do jogador, sendo muito funcional. Entretanto, faltou a melodia ser mais marcante, para não sair da cabeça, ou seja, após fechar o jogo, nenhuma delas voltam nos seus pensamentos.

 

| Inovação

A inovação do jogo, pode-se dizer que está no personagem principal. É difícil encontrar jogos em que você pode ser um gato que sabe pilotar um robô,  navegar um submarino e até falar a senha do computador. No jogo também temos uma história de um mistério muito legal e uma reviravolta muito criativa e um final diferente do usual. Em relação ao gênero, o jogo segue bem o passo de um metroidvania. Nesse aspecto acredito que não tem muito a adicionar ao gênero.

 

| Resumindo

 

Análise
  • Jogabilidade
  • Arte
  • Trilha Sonora
  • Inovação
3.9

Dados adicionais

Foi cerca de 6 horas para zerar, isso jogando 80% de tudo que o game proporciona, ou seja, não terá um tempo adicional muito maior.

GatoRoboto é um jogo que recomendado para pessoas que gostam de Metroidvania e um bocado de humor. Caso queira adquiri-lo, pelo gamepass é uma boa opção, pois você terá não só esse jogo, mas muitos outros, clique aqui.