Entrevista com os criadores de FOBIA


| Introdução

Fobia é um jogo de horror psicológico que está sendo desenvolvido pelo estúdio indie brasileiro Pulsatrix Studios. O jogo vai ser lançado na Steam, ainda sem data definida. O jogo tem uma campanha de financiamento no Catarse, e seria incrível se você leitor pudesse ajudar esse projeto incrível com uma contribuição.

Conheça um pouco sobre o projeto no gameplay abaixo:

Essa entrevista foi realizada com o objetivo de criar oportunidade de outras pessoas conhecerem mais sobre esse jogo brasileiro, e também para ajudar quem tem como sonho ser desenvolvedor de jogos no Brasil.

Agradeço ao Fabio Martins por responder nossas perguntas, e com isso permitir que este post fosse realizado.

 

| Entrevista

Garota no Controle: O que veio primeiro, a mecânica ou temática?

Fabio Martins: Com certeza foi a temática. Todos os criadores do jogo são fãs do gênero terror, não só nos games, mas também filmes, series e literatura. Então foi uma escolha muito natural. E a mecânica surgiu analisando e se inspirando nos grandes clássicos do gênero já lançados.

 

Garota no Controle: Que jogos inspiraram Fobia?

Fabio Martins: Jogos como Resident Evil, Fatal Frame, Silent Hill, PT, na sua maioria clássicos. Tentamos nos inspirar e modernizar as ideias desses jogos que gostamos.

 

Garota no Controle: Qual o diferencial do jogo Fobia?

Fabio Martins: Tentamos ser atenciosos aos detalhes, dar um nível de interação e realismo que aumenta a sensação de imersão. Porque jogos de terror se resumem a isso, o quanto você está imerso naquele mundo e o quanto ele parece real para você.

 

Garota no Controle: Qual o tamanho da equipe de vocês?

Fabio Martins: Hoje no total somos 7 pessoas trabalhando diretamente na produção, e mais 4 colaboradores, como beta testers e dubladores.

 

Garota no Controle: Quais as principais dificuldades encontradas para desenvolvimento e para conseguir que o jogo fosse publicado?

Fabio Martins: A maior dificuldade sempre se encontra na parte financeira. O processo de produção é muito longo, e manter uma equipe trabalhando por tanto tempo é muito custoso. Trabalhamos até agora sem nenhum tipo de financiamento, mas se mantivermos o ritmo atual de produção não conseguiremos entregar o jogo completo dentro de um prazo razoável, por isso queremos ter a possibilidade de focar 100% na produção e entregar o melhor jogo possível, dentro de um prazo que agrade nossos jogadores.

 

Garota no Controle: Pretendem lançar outros jogos?

Fabio Martins: Gostaríamos muito de desenvolver outros projetos, mas no momento estamos focados no Fobia, e não conseguimos desenvolver outras idéias.

 

Garota no Controle: Qual foi o maior aprendizado que você gostaria de passar para outras pessoas, sobre produzir o próprio jogo?

Fabio Martins: Que vale a pena ser persistente. Se você tem um projeto legal e acredita nele, você não pode desistir, apesar das dificuldades a recompensa sempre vem.

 

Garota no Controle: Sobre mulheres na área de desenvolvimento de jogos, o que você tem a comentar sobre isso?

Fabio Martins: O mercado ainda é muito desigual. Apesar do grande número de mulheres profissionais da área, e de mulheres gamers, sabemos que a proporção de homens é muito maior. Mas esperamos que esse cenário continue mudando e melhorando, e que todos tenham oportunidades iguais, independente de sexo, raça, religião ou orientação sexual.

 

Garota no Controle: Que mensagem você gostaria de passar para aqueles que querem desenvolver jogos no Brasil?

Fabio Martins: Que o mercado é difícil e competitivo, mas se é o seu sonho, vale a pena. Com trabalho e dedicação, tudo é possível.

Garota no Controle: Para vocês, é possível viver de jogos no Brasil?

Fabio Martins: Sim, é possível. Grande parte da equipe já vive de jogos, mas trabalhando para outros projetos. Como Pulsatrix Studios, estamos no nosso primeiro projeto e talvez ainda demore um pouco para que possamos manter a equipe toda focada somente no Fobia, mas acreditamos que logo isso será possível.

Comentários