Entrevista com os criadores de Farm Break


| Introdução

Farm Break é um jogo de puzzle, desenvolvido pelo studio85. O jogo foi publicado para Android no Google Play e você pode acessar a página do jogo para conhecer mais. Este jogo recém lançado vem recebendo nota máxima dos usuários, recomendo fortemente testarem, é gratuito!

Conheça um pouco sobre o projeto no vídeo abaixo:

Essa entrevista foi realizada com o objetivo de criar oportunidade de outras pessoas conhecerem mais sobre esse jogo brasileiro, e também para ajudar quem tem como sonho ser desenvolvedor de jogos no Brasil.

Agradeço à Rayanne Reveg por responder nossas perguntas, e com isso permitir que este post fosse realizado.

 

| Entrevista

Garota no Controle: O que veio primeiro, a mecânica ou temática?

Rayanne Reveg: Primeiro optamos em estudar a mecânica e em seguida juntamos as peças para a inspiração da temática.

 

Garota no Controle: Que jogos inspiraram Farm Break?

Rayanne Reveg: O famoso “Tomb of the Mask” e também o “House Paint”; inclusive jogos excelentes!

 

Garota no Controle: Qual o diferencial do jogo Farm Break?

Rayanne Reveg: Não consigo definir em, somente, um diferencial. Se me permite, diria que nosso visual é um deles, optamos por gerar essa atmosfera fofa por meio da arte e o trabalho sonoro. Além disso, nosso jogo possui a mesclagem de mecânicas, justamente dos “games” comentados, tornando a “gameplay” extremamente divertida e desafiadora! Mas um diferencial que eu amo, falando como jogadora, é que optamos por não abusar nas propagandas, possibilitando aos jogadores curtirem livremente sem prejudicar suas experiências.

 

Garota no Controle: Qual o tamanho da equipe de vocês?

Rayanne Reveg: Somos um time composto por 6 membros.

 

Garota no Controle: Quais as principais dificuldades encontradas para desenvolvimento e para conseguir que o jogo fosse publicado?

Rayanne Reveg: Pergunta difícil, gosto assim. Do meu ponto de vista, diria que era a luta eterna de tempo contra qualidade. No mundo de desenvolvimento, nós sempre temos que correr contra o tempo, afinal, somos movidos também pelas tendências de mercado e elas podem ser muito voláteis. Já para a publicação arrisco dizer que era nosso “medo” do jogo não estar bom o suficiente; sempre queremos melhorar, mas publicamos do jeitinho que está e o pessoal amou, o que nos deixa muito feliz.

 

Garota no Controle: Pretendem lançar outros jogos?

Rayanne Reveg: Sim! Inclusive estamos trabalhando, paralelamente, em outros projetos autorais. Não esquece de nos acompanhar para conferir! Acesse o site do estúdio: https://studio85.games/.

 

Garota no Controle: Qual foi o maior aprendizado que você gostaria de passar para outras pessoas, sobre produzir o próprio jogo?

Rayanne Reveg:  Que produzir jogos não é algo fácil como pode parecer para alguns. Enfrentamos batalhas diárias como os heróis tão amados dos “games”. Sempre queremos também aumentar nossa experiência para desenvolver jogos melhores a cada publicação e que, às vezes, o mercado pode ser o chefão mais difícil de se enfrentar.

 

Garota no Controle: Sobre mulheres na área de desenvolvimento de jogos, o que você tem a comentar sobre isso?

Rayanne Reveg: Bem, eu sou mulher e, felizmente, trabalho também com uma mulher maravilhosa que é a Isabele Carvalho, nossa “Sound Designer”. Digo que nós mulheres estamos conquistando cada vez mais nosso espaço no mercado e que somos, extremamente, capazes de desenvolver jogos. Para mim, a sororidade é um tópico muito importante em diversos ramos, incluindo o nosso; já que tanto sofremos com alguns episódios de machismo.

 

Garota no Controle: Que mensagem você gostaria de passar para aqueles que querem desenvolver jogos no Brasil?

Rayanne Reveg: No começo vai ser difícil, você pode se deparar com pessoas que vão duvidar de ti, mas continue, siga a sua paixão por desenvolver. Sempre tente se aprimorar estudando e, entenda que cada um tem o seu tempo; não se cobre tanto, faça por amor. Não tenha vergonha de mostrar seus trabalhos, todos começam de alguma maneira e aprenda a criar um portfólio. Outro detalhe importante, comece pensando em desenvolver algo pequeno, não pense que seu primeiro jogo vai ser um “Final Fantasy”; você precisa começar de pouco a pouco para não se frustrar.

 

Garota no Controle: Para vocês, é possível viver de jogos no Brasil?

Rayanne Reveg: Sim, felizmente o mercado vem crescendo de maneira absurda; o que nos possibilita viver de forma mais confortável.

Comentários