Bioshock: Andrew Ryan e a Ideologia do Individualismo

| Introdução

Este post foi baseado no artigo Andrew Ryan’s Ideology of Individualism in Bioshock: Rapture, escrito por Muhammad Hilfi Adanni e publicado no Compendium: Journal of Cultural, Literary, and Linguistic Studies.O que é ideologia? É uma maneira como um indivíduo, grupo ou sociedade vê o mundo, em forma de ideias ou crenças. A ideologia em nossa vida funciona como um filtro através do qual vemos tudo e todos, mas não necessariamente é algo que façamos de forma consciente.

Andrew Ryan em Bioshock acredita no ideal do Individualismo, ou seja, ele acredita que o indivíduo que trabalha duro sem a intervenção da sociedade ou do governado pode atingir os seus objetivos e desejos. Então, com a ideologia do individualismo, as vidas das pessoas não pertencem a mais ninguém, apenas a própria pessoa. O julgamento do que é correto também é feito por si próprio e deve-se usar como base para agir, para buscar sonhos, para se satisfazer com o resultado dos seus esforços, sem ninguém exigindo que eles sejam compartilhados, ou que outros compartilhem o resultado deles com você.

 

| A História de Andrew Ryan

Andrew Ryan nasceu em 1911, em um povoado de classe média no Império Russo.
O pai de Andrew era um opositor do governo comunista Russo e teve os negócios destruídos após a revolução bolchevique.

Em uma manhã, Andrew e seu pai pretendiam pegar um trem para fugir para a cidade de Constantinopla, quando o primo de seu pai Dmetri e sua esposa, Vasilisa, imploraram por ajuda. Eles queriam dinheiro para que pudessem subornar os soldados. Entretanto, o dinheiro que Andrew e seu pai tinham era necessário para viagem, e eles não puderam ajudar.

O trem chegou e Andrew sentou em um dos assentos. Pela janela, viu os soldados vermelhos, que bateram em Vasilisa com um rifle e puxaram o gatilho em Dmetri. Após isso, ainda observou Vasilisa chorar, e em seguida ouviu mais dois disparos. Embora seu pai tenha pedido para desviar o olhar dessas situações, Andrew não conseguiu. Essa memória para sempre ficou guardada.

Ryan cresceu, mudou-se para América, obteve uma fortuna com sua mente, trabalho árduo e força de vontade. E continuou desprezando o coletivismo a ponto de botar fogo em sua floresta privada quando pessoas sugeriram dele criar um parque público lá e declararam que a terra, na verdade, pertencia a Deus. Para Andrew pessoas que obtêm vantagens com o trabalho de outras pessoas são parasitas:

“Qual é a diferença entre um homem e um parasita? Um homem constrói, um parasita pergunta: ‘Onde está minha parte?’

Um homem cria. Um parasita diz: ‘O que os vizinhos vão pensar?’

Um homem inventa. Um parasita diz: “Cuidado, ou você pode pisar nos pés de Deus” (Bioshock: Rapture p. 370). 

Com a guerra, os impostos disparam nos EUA, e empresários com condições financeiras favoráveis como Ryan são cobrados para que contribuam com o país. Ryan reluta, e este acontecimento, seguido do bombardeio de Hiroshima, faz com que um novo objetivo surja em sua mente: criar Rapture. Rapture seria a cidade onde a liberdade seria alcançada, o sucesso individual com muito trabalho, livre da interferência do governo e da sociedade. Isso foi um chega de aguentar os parasitas.

 

| A ideologia de Andrew Ryan

A ideologia de Andrew Ryan se baseia muito no individualismo. Rapture é uma cidade anarquista e capitalista. O funcionamento se baseia no princípio de que, por exemplo, o padeiro vai querer fazer o melhor pão e alimentar as pessoas porque isso é bom para ele. Com o cliente satisfeito, ele voltará novamente, e ao dar o seu melhor, ele também fez algo de bom para o cliente. Perceba que o padeiro pensou no que seria o melhor para ele, e fazer bem para os outros foi apenas consequência de um esforço e trabalho bem feito. Então assim seria moldado a sociedade ideal, o interesse próprio sendo a base da economia que impulsionaria os negócios.Fica óbvio pela ideia de Ryan do que são os parasitas, da necessidade de se ter uma sociedade onde o individualismo é extremamente importante, cada um deve ganhar de acordo com seu trabalho duro, ninguém deve ter mais do que merece.

“Qual é a obscenidade mais cruel já perpetrada na humanidade? Escravidão? Ditadura? Não! É a ferramenta com a qual toda a maldade é construída, altruísmo”(Bioshock: Rapture, p. 296).

O governo Russo reflete exatamente tudo que Ryan não aprova. A falta de liberdade com a censura de tudo o que consideram impróprio, regulamentações que restringem direito do indivíduo e forçam para o povo. Também a cobrança de impostos seria um exemplo de opressão do governo aos esforços dos indivíduos. A riqueza do seu povo é tomada, mas quem lutou para conseguir isso foi o povo, sendo o governo um parasita também. Para Ryan, são esses fatores que fazem com que uma cidade/país tenham restrição de crescimento, inovação e invenção.

 

| Os fatores que formam a ideologia

Ryan presenciou o horrores desde jovem, viu a falta de liberdade e o autoritarismo. Seus parentes foram mortos na sua frente e isso nunca foi esquecido. Foi daí que começou a surgir sua ideologia. Baseada em sua família, na raiva pelas autoridades e a valorização pela liberdade pessoal, nas situações passadas e nas condições em que ele vivia.Quando Andrew incendeia sua floresta, isso mostra o quanto ele odeia o sistema, o quanto se sente distante da realidade da sociedade existente, então Rapture é sua forma de se encontrar. Fugir das guerras de Hiroshima e Nagasaki, de tudo que te causa dor, e a busca por um refúgio seguro, livre de intervenção social e governamental.

Comentários