Análise de A Lenda do Herói

| Introdução

A Lenda do Herói, também conhecido internacionalmente como Songs for a Hero, é um jogo de plataforma 2D idealizado pelos irmãos Castro (Castro Brothers), desenvolvido e publicado pela Dumativa Game Studio e lançado em 2016 para computadores. Inspirado em outros grandes títulos 2D como Mario Bros. e Zelda, em união a uma história narrada…ops! Cantada, nasce então a Lenda do Herói.

 

| História

A proposta da história é bem simples. O jogador deve controlar o Herói, “de armadura brilhante e voz estonteante”, que busca libertar uma princesa presa em um castelo.

“E a princesa eu vou resgatar”
“E a princesa eu vou resgatar”

No início do jogo, a princesa manda uma mensagem criptografada para o herói ao estilo Princesa Leia em Star Wars para que ele a resgate. A partir daí o Herói deve desbravar ambientes e enfrentar inimigos que variam de acordo com as fases.

Por ser narrada/cantada, a história ganha uma atmosfera diferente da maioria dos jogos de plataforma 2D pixelados, em que encontramos apenas textos de diálogos, ou às vezes nem isso. Além da cantoria ser contagiosa, o herói compartilha das frustrações do jogador conforme ele avança e até mesmo erra pulos ou cai. Isso sem contar os trocadilhos que aparecem nas letras das canções ou nas dicas.

Piadinha na tela de loading
Piadinha na tela de loading

Piadinhas 1 1024x576 - Análise de A Lenda do Herói

O único ponto “negativo” que encontrei na história foi em relação ao final do jogo, que foge da normalidade e me pareceu um pouco forçado, ou um pouco inverossímil para o que foi visto até esse ponto da história. Não entrarei em maiores detalhes para não dar spoilers a possíveis futuros jogadores.

 

| Jogabilidade

Assim como a premissa da história, a jogabilidade é igualmente simples. Imitando mecânicas já utilizadas por outros títulos de plataforma, o Herói pode andar da direita para a esquerda, saltar, atacar e se defender (ao menos inicialmente). Conforme o jogador avança na história e desbrava novas fases, o Herói desbloqueia novos poderes e habilidades. As habilidades variam desde o uso de “dash” até o poder de atirar bolas de fogo com a espada.

O Herói também pode comprar itens e habilidades na loja
O Herói também pode comprar itens e habilidades na loja

O desbloqueio de habilidades novas também permite que o jogador explore novas áreas de fases anteriores e acesse locais antes inalcançáveis, sendo que, nestes locais, você pode encontrar baús de tesouro que aumentam a energia total do Herói ou o número de corações. Essa mecânica me lembra um pouco dos jogos metroidvanias em que o desbloqueio de habilidades e poderes apresenta a possibilidade de expandir os horizontes de exploração. Outro ponto interessante é que, ao explorar certas áreas, é possível até mesmo desbloquear chefes extras.

O fator definitivo da jogabilidade é a musicalidade do jogo. De acordo com as ações do jogador, o Herói irá narrá-la. Experimentei ficar parada por um período de tempo e logo o Herói reclama que não deveria ficar parado ou criaria raízes. Se cair de uma plataforma ou levar dano de um inimigo, o Herói também poderá se queixar. Não há um diálogo que não seja cantado. É como “jogar” um musical.

 

| Arte

A arte é completamente pixelada e em 2D. Os ambientes são muito bem construídos e projetados de acordo com as habilidades do herói. Cada região do mundo apresenta uma temática diferente, variando de castelos a vulcões e até mesmo o espaço sideral. A cada novo obstáculo encontrado no ambiente ou conforme o clima e a iluminação mudam, o Herói faz questão de colocar na canção.

O Herói se queixa do clima ao desbravar o deserto
O Herói se queixa do clima ao desbravar o deserto
Fase de gelo, uma das minhas favoritas
Fase de gelo, uma das minhas favoritas

 

| Trilha Sonora

A trilha sonora é um dos carros chefes do jogo. Sem as músicas, o jogo perderia metade de sua graça e identidade. Quem dá voz ao Herói é o brasileiro Bruno Sutter, responsável então por cantar todas as melodias do jogo e acompanhar o jogador em sua jornada junto ao Herói. As músicas variam de acordo com as regiões. Para o castelo as músicas têm aquela pegada medieval que lembram o alaúde. Para a região de gelo as músicas variam para o rock. E todas as letras têm certo ar de “graça” com expressões típicas do nosso idioma.

 

| Inovação

Acredito que a principal inovação do jogo tenha sido de fato à “história cantada”, com o Herói narrando todos os seus passos como em um musical. O uso e mistura de elementos de gameplay já conhecidos também foram um dos pontos inovativos fortes, uma vez que foram bem polidos e bem aproveitados.

 

| Trailer

Resumindo
  • Jogabilidade
  • História
  • Trilha Sonora
  • Arte
  • Inovação
5

Conclusão

A Lenda do Herói é um jogo inovador e que atende o que se propõe: apresentar desafios em um mundo pixelado 2D com uma história cantada que corresponde às ações do jogador. Com mecânicas de gameplay fluidas e bem polidas, é um excelente título para amantes de jogos como Mario Bros., Megaman e Zelda. E, vale ressaltar, que é uma porta de entrada excelente para os jogos brasileiros; e também em preparação ao próximo título da Dumativa em parceria com o Cellbit, A Ordem Paranormal, que encontra-se em estágio de Kickstarter no momento. A Lenda do Herói é um jogo com o selo Garota no Controle de qualidade. Continuem acompanhando o site para mais análises como esta.

Comentários